Salve galera! Então, eu estava falando com o Bruno Vasko ontem a noite, e me surgiu a brilhante idéia de escrever uma breve retrospectiva sobre a minha visão na cena. Não somente de 2010, mais uma pequena amostra geral do que me fez parar e refletir bastante desde o início da WoW até os tempos atuais. Bruno veio me fazendo umas perguntas sobre o que eu achava de como estava caminhando as coisas, e me fez algumas citações do ano passado e outras desse ano que me fizeram pensar muito em tudo o que aconteceu, acontece e o que vai acontecer. Depois de ler a entrevista dele no blog Hotrodfingerboard foi que me caiu a ficha de verdade sobre tudo.
 
O INÍCIO.
Tudo teve início muito antes de muita coisa, hehe, aí depois, vários anos depois, veio a WoW. Lembro de tudo como se fosse hoje o primeiro deck e um dos primeiros passos para a WoW. Como o Bruno citou, foram várias horas, várias noites trocando idéia até então nascer a WoW fingerboard. No início concordo plenamente que era um “comodismo”, ocupar tempo, fazer algo diferente que me desse um retorno prazeroso. Porém as coisas com o passar do tempo foram ficando mais sérias e eu jamais tinha pensado que a WoW poderia se tornar uma referência boa na cena. Não digo perfeita pois eu sei que jamais será.

 
A EVOLUÇÃO.
Passado esse pequeno tempo, a WoW estava engatinhando lentamente, eu já estava percebendo e recebendo comentários positivos de algumas pessoas. No momento me veio a tremenda dúvida, continuar firme ou continuar “mole” ? Fui dando meus passos conforme as pernas, algumas vezes passos mais largos, outras vezes parando e observando. Criando, inovando, além disso, estudando um pouco sobre as coisas, até onde eu poderia ir. Confesso que inúmeras vezes pensei em desistir realmente de tud , mais algo mais forte me dizia para continuar. Não cito apenas o amor pelo skate e fingerboard, mais sim a força que recebi, o apoio de quem realmente faz a cena acontecer, o apoio das pessoas que estavam admirando meu trabalho, me dando uma ajuda forte em busca da evolução constante, com dicas, maneiras diferentes de fazer meus shapes, e por aí vai. Foram horas, foram semanas, meses desenvolvendo, testando materiais e mais uma infinidade de coisas e o resultado foi rendendo.
 
 
MARCAS.
Do ano passado até hoje, vi uma infinidade de marcas surgirem, algumas falhas, muitas em constante evolução, claro que cada uma com o seu objetivo e isso de certa forma é bom para a cena Brasileira, o que eu sempre cito, tudo em seu determinado tempo, dar o passo conforme a perna, variedades de produtos e preços e por aí vai. Vi as pessoas se dedicarem de verdade, vi coisas na cena que pensava em não ver tão cedo por aqui, alguém sem lembra das Kobe K1 ? Roda rolamentada era Flatface ou Winkler, tinha que pegar da gringa e o custo era infinitamente alto, ou quando conseguia por aqui muitas vezes era o dobro do preço, “a tal evolução”… Cada marca com a sua, com seus objetivos, crescendo cada vez mais na cena e A cena em si.
 
Shapes já tinha um pessoal das antigas que fazia. Jader (desde a idade da pedra hehehe), Kona (Conhecido como a BRR Brasileira, hehehe, tanto pelos shapes quanto pelos obstáculos e parks, sem esquecer de citar a organização da HI Adv que cresce a cada ano), Wacka Wacka do André, BlackBird do JapaErickson, Downtown do Ximia, JK da Kássia e do Jean e por aí vai. ( Claro que existem outros nomes, mais esses foram os que me vieram na cabeça agora… ) Depois dessas que cito como referências básicas, vieram outras que também continuam a crescer e procurar seu espaço na cena. Faped Killah, HS RAMPS, Oink, Dedoduro, Java’s concrete, não posso esquecer de citar também a WoW… hehehe
 
 
A GALERA.
Puts, isso de fato na minha opinião é algo que conta MUITO no desenvolvimento geral da cena, afinal, quem faz a cena é quem está envolvido nela, sejam as marcas, os fingerboarders, os curiosos, os spammers hehehe, quem realmente da apoio, as opiniões, sejam boas ou ruins, em fim… Conheci muita gente desde que entrei na parte “quente” da cena, muita gente continua até hoje, muitos sumiram, outros estavam saindo quando eu estava entrando, outros ausentes e de vez em quando fazem a presença com um comentário ou outro sobre qualquer assunto que seja.

Admiro muitas pessoas que estão aí com tudo sempre, que não existe tempo ruim, marcou rolê vai que vai, se alguém precisa de uma ajuda está aí e tal, o pessoal que viaja pra encontro ou está presente sempre que pode… O material desenvolvido em parceria, um mora no sul outro no norte e rola vídeo, sem contar quando rola essa parceria entre o Brasil e outros países.

O DESENVOLVIMENTO.
Como dito em postagens pelo fórum, o Brasil é considerado uma cena independente, isso é FATO. Temos excelentes marcas, fingerboarders com alto grau de performance, meios de comunicação como o fórum onde acontece tudo relacionado a cena do Brasil todo, uma infinidade de blogs, a moderação em geral do fórum e comunidade do orkut, membros ABF, em fim, os integrantes da cena, encontros, peças, peças e mais peças que não deixam a desejar com altos níveis em comparação com os materiais da gringa.

Meu objetivo aqui não é fazer comparação nenhuma, pelo contrário, mostrar que realmente a nossa cena é forte e unida como de outros países em todos os sentidos. Sei que a dedicação é constante e muitas vezes para vários administradores sentem pela falta de tempo por estudo e trabalho. Sei também que sempre vai rolar uma discussão sobre qualquer assunto que seja, até porque, cada um tem um ponto de vista…

Então o recado final que passo para todos é, aproveitem, desfrutem e façam como sempre fazem e vem fazendo. Façam a cena crescer mais e mais. Vamos representar cada vez mais, vamos criar cada vez mais, vamos fazer cada vez mais materiais e por aí vai. Se o Brasil é considerado o país do futebol, pode ter certeza que do fingerboard também. A EVOLUÇÃO NÃO PARA.

Não sei se ficou claro o objetivo dessa retrospectiva, mais foi uma forma simples de me expressar e dizer o quanto sou feliz e tenho orgulho de fazer parte da cena Brasileira.

AGRADECIMENTOS.
Em especial, para os fingerboarders da WoW pela força de sempre no desenvolvimento interno, André, Bruno, Duan, Judah (mesmo que recente), Ex riders Reinaldo, Júlio, Java, Hugo.

Rodrigo Rossi, Jader, Kona, Lima, Fábio Barata, Rodrigo Rouss, Arthur Matos, e outros, cada um com sua respectiva função, seja moderador, administrador, dono de marca e por aí vai.

Panda & Mônio, Fingerstore, Massacreshop.

E sem dúvidas a cada um que faz parte da cena no Brasil, meus sinceros agradecimentos.

 

One thought on “Retrospectiva 2010

  1. André Luis says:

    Po cara, conta pro que der e vier ai, nao sobra tempo pra mais nada agora, nem andar direito, mas to tentando, sempre tentando estar presente no maximo (agora to no horario de intervalo do trampo, nao me chinga mano HAHA) valeu por tudo ai cara, conta comigo

    Att André

Deixe uma resposta